Diário das Nuvens

by  joão francisco vilhena, and joão paulo cotrim

Diário das Nuvens

João Francisco Vilhena,João Paulo Cotrim

Imagens: João Francisco Vilhena
Poemas: João Paulo Cotrim
Design e logótipo convidado: Jorge Silva
Composto em caracteres Circular Book e Bold
Miolo: Munken Lynx 120gr
Capa: cartão cinzento de 3 mm com impressão em serigrafia,
com guardas em popset preto 120gr
Acabamento: sem lombada, cosida com linha cinza

Data: Out-2021
Edição: #117
ISBN: 9789899014206
Dimensões: 23 x 17 cm
Núm. páginas: 80 págs

As voltas que o mundo dá. E fica tudo dito, neste movimento, da terra sobre si para que contemos as revoluções, neste nó que o destino dá aos planos de cada qual, as tonturas da pressa como as da travagem brusca. Dois amigos que há muito se não viam reencontraram-se. E logo ergueram planos, vários, que foram pondo em movimento, em invariável busca do cruzamento entre imagem e palavra. Estavam nisto quando regressaram os dias que pareceram um só, estendido até perder de vista. Suspenderam-se os encontros e os abraços congelaram no ar. Era o confinamento. Diz um: as nuvens olham por nós, envolvem-nos em silêncio. Podem absorver maus pensamentos, só por lhe devolvermos um olhar paciente, diz o outro. O primeiro escolhia a nuvem vista da sua janela de último andar e logo transmitia desafio, travando a passagem das massas fascinantes. O segundo na varanda do seu derradeiro andar parado antes do céu acompanhava a dança sem marcação, na absoluta liberdade da recolha de ecos do mundo e do espírito das palavras. O parágrafo só se fechava, entre o delírio e a trova, a observação e o pensamento, com o espelho da fotografia. No recolhimento imposto pela catástrofe estes dois amigos, que vivem ambos rente ao céu, impedidos de o fazer de copo na mão, insistiram no jogo dos vasos comunicantes. E prolongaram-no em filmes, em exposições, neste livro. O mais limpo dos céus contém a promessa de nuvens. Mas a névoa não tem que significar mau tempo. Sigamos o sopro e os ventos.

20€